FM: Stero 5.1

A Crítica Musical Como Ela É

Novidades

10 de Março, 2007: Lançamento da página com os escritos do grande crítico musical Fernando Magalhães

Links:



Procura

The Web fm stereo

Free shoutbox @ ShoutMix

Escolha a Letra




24.10.1997

World

Enteli

Enteli (8) - (conj.)

Phono Suecia, distri. MC - Mundo da Canção

Águas Em Fúria

Cabalismos klezmer possuídos pela ira contra os deuses, ritmos do Nilo, cantos e danças do Piemonte italiano e, da Suécia, ainda um projecto com o envolvimento de Ale Möller e Lena Willemark, entre a tradição e a improvisação. Quadrantes de um mesmo mundo que a cada instante se redescobre e reinventa através da música.

Drummers of the Nile” é uma viagem musical através do rio Nilo, das suas tradições e dos seus mistérios. Navega-se por ele a bordo das percussões mas também das vozes, com as contribuições de um acordeão e de um trompete, quando a nau lança a âncora nas vielas e nos bares mal afamados do Cairo. Entre o mar e o deserto, os tambores do maestro Mahmoud Fadl transportam-nos ao longo das diversas tradições conotadas com este rio desde sempre envolvido numa aura de mistério e cujos fluxos e refluxos das águas permaneceram durante séculos por explicar. Música clássica do Egipto, ritmos dos beduínos, cantos e cadências das mulheres, imitações de camelos, danças tradicionais a acompanhar cerimónias de casamento, variantes específicas e diversos ritmos, nubianos ou do Sudão (como o “dishka”, dança de protesto das prostitutas contra a proibição da sua actividade, decretada no Sudão, que alguns consideram ser o “avô do reggae”) são alguns dos pontos por onde passam as percussões e as vozes destes “Drummers of the Nile”. “A night on Mohammed Ali street” retrata, por seu lado, as condições de pobreza e sofrimento que enfermam as ruas de um dos bairros mais miseráveis da cidade do Cairo. É isso: a complexidade de alguns dos temas, em contraste com a extrema simplicidade de outros, num registo de pura etnicidade, são o corpo musical de uma entidade viva e pujante, o Nilo, reflectindo as suas paisagens e o modo de sentir das suas gentes. (Piranha, distri. Megamúsica, 8)

Não muito longe, um bando de judeus endemoninhados desafia o Criador e as tábuas da Lei. “Porque é que o Todo Poderoso passou os primeiros cinco livros da sua Bíblia a escrever sobrte questões confusas e de moralidade problemática?” é a pergunta colocada por Tony Kushner na longa apresentação que fez de “Possessed”, acrescentando logo de seguida que “é preciso lutar contra o Todo Poderoso”. Tony Kushner é o autor de uma adaptação para teatro, “A Dybbuk Between Two Worlds”, da obra clássica de S. An-ski, “The Dybbuk” que, a par de um enredo de amor e possessão, constitui um autêntico manual de folclore “yiddish”, para a qual os Klezmatics compuseram a banda sonora, compreendida nos temas 9 a 17 do disco. Quem já conhece esta banda pela audição do alucinante exercício sobre música klezmer contido em “Rhythms + Jews” encontrará aqui o mesmo espírito iconoclasta, embora envolto num esquema, dado o carácter específico deste disco, necessariamente mais rígido. O “jazz” e o teatro encontram-se com a folk, o “ska”, as “novas músicas” e baladas de recorte cristalino, como “Mizmor shir lehanef”, animados pelo mesmo espírito que ajudou a criar a identidade (e pluralidade, por vezes convulsiva) da nação judaica contemporânea, de Mahler a Schoenberg, passando por Marx e Freud. São estes fantasmas que os Klezmatics exorcizam com a fúria e convicção dos eleitos, desafiando, eles próprios, as regras da Torah (a Lei divina). (Piranha, distri. Megamúsica, 8)

Seguindo a direito pelo Mediterrâneo encontramos os nossos velhos amigos celtas do Piemonte, no Norte de Itália, em plena corte dos La Ciapa Rusa, reis incontestados da música desta região. Como acontece com “Drummers of the Nile”, em relação ao Nilo, cujo caudal sofre cheias periódicas, também o álbum “Omi e Paiz”, dos Tre Martelli, está marcado pela fúria das águas, neste caso pelas cheias que assolaram a zona de Alessandria em Novembro de 1994 e, inclusive, puseram em risco a própria existência do grupo. O reportório é constituído pelos “brandos”, “alessandrine” e “monferrine” da praxe, alternando com baladas vocalizadas de extrema sensualidade, características do estilo do Piemonte, onde brilham as vozes de Simone Boglia e Andrea Sibilio, num registo de menor sofisticação comparado aos “internacionais” Ciapa Rusa e Barabàn. (Robi Droli, distri. MC - Mundo da Canção, 8).

De súbito, uma rajada gelada tolhe-nos os membros, fazendo-nos tremer. Por momentos o frio faz-nos perder o sentido de orientação. É meia-noite mas o sol brilha sobre o horizonte. É claro, saltámos muito para Norte e viemos cair na Suécia. Porém, a música que nos chega através de “Enteli”, consegue fazer-nos esquecer o frio. Reconhecemos, no colectivo designado por Enteli, a presença, uma vez mais, de Ale Möller e Lena Willemark, numa música que toma as baladas medievais ou as tradições xamânicas das danças “sufi” como inspiração para um exercício de liberdade que está mais próximo do “jazz” e do requinte de um Jan Garbarek que da música tradicional, recuperando todo o virtuosismo mas também as tendências heréticas da escola escandinava, marcadas tanto pelo furor instrumental como por um sentido apurado da poesia e de um ambientalismo “sui generis”, fruto da eterna promiscuidade entre o sol e a lua. (Phono Suecia, distri. MC - Mundo da Canção, 8).